Seja bem-vindo(a), hoje é Sexta-feira, 24 de Janeiro de 2020

Há 1 ano sino sinaliza vitória de pacientes no IBCC Oncologia

19 de dezembro

Mais de 900 pacientes tocaram o sino em comemoração pelo fim do tratamento.

O ecoar das badaladas significa vitória, emoção e conquista. Em dezembro de 2018, a paciente de 54 anos, Maria Sandra dos Santos, foi a primeira a tocar o sino e a contar a história de superação. Acometida por um câncer de mama, a paciente teve a trajetória marcada por emoções e dificuldades relacionadas a doença, mas também de força. Ela foi mais forte, resistiu e, tocou o sino para mostrar a conquista. Hoje faz apenas acompanhamento.

O dia 19 de dezembro marca um ano da implementação do projeto Ring the Bell no hospital. A iniciativa da Ong, de mesmo nome, é apresentada de maneira que o paciente toque o sino no fim da terapia por radiação. “No ritual, quem toca o gongo sente-se protagonista do tratamento e fortalecido pela experiência e pelo apoio recebido”, diz Tatiane Antonietti, coordenadora da área de radioterapia do IBCC Oncologia.

Desde a implementação da ação, 917 pacientes tocaram o sino. “É um imenso prazer proporcionar momentos felizes aos nossos pacientes e o sino representa essa conquista e uma esperança de recomeço de um ciclo”, finaliza Antonietti.

Antes de tocar, cada paciente lê uma mensagem motivacional que fica na placa ao lado do sino. Após um concurso, foi escolhida a frase: “Você vivenciou um percurso único até aqui, encontrou força, coragem e esperança. Ao tocar o sino, sinta-o vibrar. Essa vibração trará ao seu coração motivação e alegria. Guarde o som dessa vitória. Hoje é o seu recomeço. Parabéns”. O projeto também leva motivação para os pacientes que iniciarão o tratamento e desmistifica a associação da doença com o final de vida.

Suzana Mosquim, diretora de práticas assistenciais, disse que o som ultrapassa o sentido sonoro. “Nesse som estão traduzidos o despertar para a vida e o compartilhar da vitória. Além de motivar outros pacientes para que persistam no tratamento”, destaca.

© 2020 IBCC Oncologia