O protagonismo dos profissionais multidisciplinares na pandemia do COVID-19. O que fazem os fisioterapeutas?

26 de março

Que os profissionais da saúde assumem papel de destaque não é novidade quando pensamos na pandemia do Coronavírus que vivenciamos. Além dos enfermeiros e médicos, existe uma grande equipe por trás de todo cuidado e dedicação. Michele Fausoni Magiarov, conta um pouco sobre a função do fisioterapeuta nos cuidados com o paciente com suspeita ou diagnóstico de COVID-19.

Sempre estivemos nos bastidores, mas agora somos um dos principais instrumentos que auxiliam o paciente internado com suspeita ou confirmação de COVID-19, o fisioterapeuta tem a função de identificar as necessidades relacionadas à terapia respiratória e cuidar da ventilação mecânica do internado, que nada mais é do que a substituição da ventilação normal ,podendo salvar vidas. A atuação da fisioterapia contribui com o avanço no suporte respiratório dos pacientes em tratamento intensivo sendo um dos principais profissionais responsáveis pelo manejo do respirador que aumenta a chance de sobrevida para aqueles com insuficiência respiratória ou grandes procedimentos cirúrgicos“, destaca.

Os pacientes classificados como graves podem ficar em torno de 12 a 14 dias entubados, o que prejudica e muito a respiração espontânea. É aí que a equipe da Michele entra com o apoio da equipe multidisciplinar que está habilitada para cuidar da reabilitação do paciente. Assumimos esse papel evidente, tanto nos cuidados hospitalares, quanto nas orientações quando o paciente recebe alta e necessita de cuidados domiciliares. Precisamos orientar as pessoas a ficarem em casa, com todos os cuidados de isolamento, porque o vírus se tornou comunitário e está mais letal e transmissível do que os outros vírus“, orienta Falsoni.

Quando um paciente testa positivo para o Covid-19 e tem indicação de alta, as principais recomendações da fisioterapia para o isolamento domiciliar são: manter-se ativo dando continuidade aos exercícios que foram ensinados durante a internação e envolver os cuidadores e familiares no cuidado, para garantir a recuperação da capacidade funcional e o retorno às atividades de vida diária.

© 2020 IBCC Oncologia | RT: Dr Walter Galvão CRM 112.793